quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Feliz Natal!!!

Desejo a todos os amigos um Natal repleto de luz, reflexões e realizações!

Este vídeo é bem sensível e abre várias reflexões para o sentido do Natal...



segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Vivência: Fazer com as mãos - O tecer como expressão da alma


"Arpileras": dando voz as dores da alma

O termo "arpillera" vem do espanhol e significa juta. O trabalho nasceu quando mulheres no Chile, durante a ditadura de Pinochet", reuniram-se com um propósito: costurar e borda suas dores, angustias e revoltas através de retalhos de tecidos dos entes queridos desaparecidos.
Através destes "panôs" conseguiram que sua voz chegasse a outros países, denunciando as atrocidades do regime. Mas que um ato político, era a possibilidade da mulher resgatar o ato feminino do tecer e expressar as dores de sua alma.
Agora as arpilleras são encontradas em diversos países e e neles há o retrato simbólico e expressivo das dores e angustias das mulheres marginalizadas, ora expondo suas dores e dificuldades, ora denunciando as atrocidades dentro da sociedade.


A arpillera abaixo é do Brasil (Altamira/PA). Denuncia a exploração sexual e o tráfico de mulheres depois da chegada da UHE de Belo Monte, atingindo a comunidade local e indígena. Narr como uma menina de 16 anos, em 2013, conseguiu fugir da Boate Xingu onde vivia sob cárcere privado e onde era explorada sexualmente.






domingo, 25 de outubro de 2015

A magia do canto

Linda animação mostrando a força e a magia do canto.
Uma linda animação composta por texturas da feltragem e dos cantos xamânicos, mostrando assim o universo da mulher na cultura indígena andina.


sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Exposição sobre as Arpilleras do Chile

Conheci as arpilleras com a querida "Maria Cecília Ferri" e fiquei encantada com as histórias bordadas na juta. As dores, os sentimentos, a luta de mulheres que colocaram sua voz em seus tecidos, costurando narrativas, denunciando as atrocidades da Ditadura no Chile.
Lançamento
No dia 25 de setembro, as 19 horas, será realizado o lançamento da exposição no Salão de Atos Tiradentes com a presença da curadora da mostra Conflict Textiles, a chilena Roberta Basic, e bordadeiras do Movimento dos Atingidos por Barragens, seguido de coquetel e atividade cultural.


terça-feira, 22 de setembro de 2015

Encontro especial dia 28/09 - Arteterapia e feminino

Neste encontro teremos como tema: Tramas, tessituras, fios e fitas... tramando e tecendo com intenções e com a natureza...



domingo, 30 de agosto de 2015

Tecendo e costurando...

Há pelo menos 3 anos venho resgatando e costurando lembranças e aprendizados de minha infância.
Sempre gostei de usar as mãos e com ela criar...
Minha vó, costureira, benzedeira e bordadeira, me mostrou os primeiros pontos, as primeiras costuras e as primeiras procissões...
Minha mãe, dona de casa, costureira e agora "bordadeira", me ensinou agora, mais adulta, as costuras à máquina (que antes não sabia fazer).
Criar uma escuta para as descobertas do que podemos fazer com às mãos, é dar liberdade para que o misterioso e oculto posso aflorar e trazer ao mundo uma dimensão lúdica e surpreendente.



Abaixo um poema daquela que mexe com linhas,  tecidos e tramas:


A costureira
(Eucanaã Ferraz)

Ela ouve o tecido, ela pousa 
o ouvido, ela ouve com os olhos.
À fibra e ao feixe interroga

sobre o que se entrelaçara, 
distinguindo a linha, o intervalo, 
o vão, o entreato, atenta

para o que na fala geométrica 
e repetida dos fios é um outro 
vazio: o de antes da trama, ato

anterior ao enredo; óculos
postos para a escuta, a escuta 
desfia-se no vento, o olho

flutua, folha, flor, agulha;
fecha os olhos; ouve
com as pontas dos dedos;

indaga do tecido o modo, 
os limites, a função, a oficina,
a forma que ele quer ter,

a coisa, a casa que ele quer ser; 
e costura como quem à mão 
e à máquina descosturasse

o dicionário, rasgando em moles 
móbiles seus hábitos, o vinco 
de sua farda.

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Encontros Quinzenais de Danças Circulares

“A cada encontro, as pessoas descobriam o poder de cura das danças e percebiam sua simplicidade e leveza beneficiando os participantes da roda. Umas são alegres, energizantes, outras são meditativas, introspectivas. Cada uma com seu simbolismo, sua melodia, seu ritmo, seus gestos, seu poder, cada uma atuando na transformação de estados emocionais e físicos, buscando sempre o bem estar e a melhoria da qualidade de vida”. (MORALES E VOLTOLINI, 2007)



Venha dançar e vivenciar a tradição, o folclore, a ancestralidade e a circularidade através das danças circulares...

Vivências quinzenais!
Data em agosto: 31/08 – Segundas-feiras, das 17h às 18h30
Vagas Limitadas.
Local: Feminino Essencial – Conhecimento, Arte e Cultura Rua Domingos de Morais, 765 – cj 04 – Ao lado do metrô Ana Rosa
Valor de troca: R$30,00 (por encontro)

Condução:Condução: Factima El Samra (Fátima Castro) 
Focalizadora de Danças Circulares, Arteterapeuta, e Pedadoga.

Inscrições antecipadas (mínimo 2 dias antes da data da atividade): contatofemininoessencial@gmail.com

Parceria do Feminino Essencial com Dakini - Arteterapia, danças, mito e feminino

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

"O Fazer das Mãos"

A tatilidade das texturas, a manualidade que dá forma...
Transformando, sensibilizando, transmutando não apenas o objeto, mas também o psíquico expressado nele.

O espírito faz a mão, a mão faz o espírito. O gesto que não cria, o gesto sem amanhã, provoca e define o estado de consciência. O gesto que cria exerce uma ação contínua sobre a vida interior. A mão arranca o tato de sua passividade receptiva, ela o organiza para a experiência e ação. Ela ensina o homem a se apropriar da extensão, do peso da densidade, do corpo. Criando um universo original, deixa em todo ele a sua marca. Mede forças com a matéria, que transforma, e com a forma, que transfigura. Educadora do homem, ela o multiplica no espaço e no tempo”. (Focilon, H., 1983)



quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Sorteio do Mês de Aniversário do Blog Mulheres em Círculo

Visitem o conteúdo do Blog e concorram:

http://mulheresemcirculo-luz.blogspot.com.br/

Oficinas de Arteterapia: Fazer com as mãos - o tecer como expressão da alma


Nestes encontros vivenciaremos várias formas de "tecer" (no sentido de tramar, unir, entrelaçar) com diversos materiais e várias possibilidades, construindo uma narrativa de diálogo com a alma do ser. 








Encontros quinzenais. Vagas Limitadas. 
Próximo encontro dia 31/08 – Segundas, das 14:30h às 16h30



Local: Feminino Essencial – Conhecimento, Arte e Cultura Rua Domingos de Morais, 765 – cj 04 – Ao lado do metrô Ana Rosa

Valor de troca: R$30,00 (por oficina)

Condução: Factima El Samra (Fátima Castro) 
Inscrições antecipadas: contatofemininoessencial@gmail.com

Evento em parceria: Feminino Essencial e Dakini - Arteterapia, Danças, Mito e Feminino

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Dança e Arteterapia: O Despertar do Feminino Sagrado

O que vem a ser isto? Durante muitos anos em minha jornada como professora de dança, me questionei se a dança que ora ensinava poderia contribuir com um trabalho mais rico de auto-conhecimento. Percebi o quanto algumas técnicas se casavam com outras, como forma de complementar um trabalho não verbal condizente com a jornada da dança da alma. Neste trabalho não somente a dança, propriamente dita, é o fio condutor, mas diversos trabalhos expressivos. A arteterapia e a eutonia (técnica somática) servem por vezes como base, para o que desenvolveremos no trabalho. Cada grupo é único, pois todas as pessoas são únicas e junção delas é que dará o fio condutor para o desenrolar do trabalho, proporcionado vivências capazes de integrar várias facetas do feminino.



        


domingo, 21 de junho de 2015

Poema/reflexão: "O Chão da Alma"

"O Chão da Alma"

Fecho os olhos e vejo abaixo de minha alma, sua sombra...
No chão a sombra, em mim descobertas...
o que antes era desconhecido, hoje torna-se revelado
Não é o desconhecido, é simplesmente o que não era visto

Retorno as entranhas, costuro memórias, vejo-me refletida no espelho da vida
Lá sem máscaras e sem véus me descubro...
Nua de alma, repleta de vida, descobrindo cores de todos os "eus" ...
Olho novamente no chão e vejo novamente a sombra; a sombra de mim mesma, a sombra de minha alma...
Não escura, não estranha, apenas reflexo de mim...

Autoria: Fátima Castro (Factima El Samra)



domingo, 10 de maio de 2015

Dia das mães!

Começo a homenagem com um poema de Carlos Luedy:
"As mãe nunca morrem, elas entardecem, tingem de nuvens os cabelos e viram por do sol"

Sendo filha, aprendemos com ela; e sendo mãe, aprendemos com nossos filhos. É um ciclo do gerar, do nutrir, do amar...
Esta experiência perpetua-se por toda vida, nas criações, no gerir ideias e acolher sugestões.

Lindas vozes em forma de canção, que retratam as palavras acima...




Atendimento de Arteterapia


quarta-feira, 18 de março de 2015

Workshop: O Feminino nas Danças Circulares

Nesta semana...
Teremos no dia, um sorteio de um aroma essencial e uma sessão de cromoterapia (com valor promocional), oferecido pelo espaço.