sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Dança do Ventre Terapêutica

Fiquei algum tempo distanciada da dança oriental árabe (dança do ventre). Fiz esta escolha, pois precisava de um tempo para amadurecer um nova perspectiva de aula, indo de encontro àquilo em que acreditava. A dança, no geral, sempre teve para mim um caráter de espiritualidade, nela encontrava a voz de minha alma. Com o passar do tempo, dançando e dando aulas, por conta das cobranças externas, acabei por me distanciar do que realmente era a essência. Tive de dar um tempo e me reconectar...  
Depois de algum tempo atendendo a pedidos, abri abrindo uma nova turma sob um novo olhar, adentrando não apenas nas técnicas da dança árabe, mas permitindo que cada uma explore suas possibilidades de movimentos, seus anseios, suas percepções e emoções...
Um olhar cuidadosa com a mulher que quer se conhecer, permitindo que esta possa dar voz a sua alma...



Parceria: Dakini - Arterapia, Danças, Mito e Feminino e Feminino Essencial

Workshop em Setembro: "Dança e Corpo na Arteterapia: Narrativas com a Alma Feminina"




segunda-feira, 13 de junho de 2016

Antiga Benção Celta





"Que o caminho venha ao teu encontro.

Que o vento sempre sopre às tuas costas e a chuva caia suave sobre teus campos.

E até que voltemos a nos encontrar, que Deus te sustente suavemente na palma de sua mão.

Que vivas todo o tempo que quiseres e que sempre possas viver plenamente.

Lembra sempre de esquecer as coisas que te entristeceram,
porém nunca esqueças de lembrar aquelas que te alegraram.

Lembra sempre de esquecer os amigos que se revelaram falsos, porém nunca esqueças de lembrar aqueles que permaneceram fiéis

Lembra sempre de esquecer os problemas que já passaram,
porém nunca esqueças de lembrar as bênçãos de cada dia. 

Que o dia mais triste de teu futuro não seja pior que o dia mais feliz de teu passado.

Que o teto nunca caia sobre ti e que os amigos reunidos debaixo dele nunca partam.

Que sempre tenhas palavras cálidas em um anoitecer frio, 
uma lua cheia em uma noite escura, e que o caminho sempre se abra à tua porta

Que vivas cem anos, com um ano extra para arrepender-te.

Que o Senhor te guarde em sua mão, e não aperte muito seus dedos.

Que teus vizinhos te respeitem, os problemas te abandonem,
os anjos te protejam, e o céu te acolha.
E que a sorte das colinas Celtas te abrace. 

Que as bênçãos de São Patrício te contemplem.

Que teus bolsos estejam pesados e teu coração leve.

Que a boa sorte te persiga, e a cada dia e cada noite tenhas muros contra o vento, um teto para a chuva, bebidas junto ao fogo, risadas que consolem aqueles a quem amas,
e que teu coração se preencha com tudo o que desejas.

Que Deus esteja contigo e te abençoe, que vejas os filhos de teus filhos, que o infortúnio te seja breve e te deixe rico de bênçãos.

Que não conheças nada além da felicidade, deste dia em diante.

Que Deus te conceda muitos anos de vida; com certeza Ele sabe que a terra não tem anjos suficientes…suficientes…
...e assim seja a cada ano, para sempre!


(Autoria desconhecida)

terça-feira, 26 de abril de 2016

"A vida em fios e tecidos"


"Na trama da vida, costuro, 

Sem me perguntar donde sai aquele 
ponto ou o outro...
No vai e vem de agulhas e linhas,
permito reviver: no ponto atrás, o 
passado; no caseado, o presente 
e no alinhavo, o futuro...
Nos tecidos colocados e escolhidos 
trago para este instante momentos 
vividos significativos e aqueles 
também que estão por vir...
Teço e bordo minhas memórias 
trazendo para o momento aquilo que 
encontro em min'alma." (Factima El Samra)







domingo, 10 de abril de 2016

A Escuridão além do olhar: Diálogos no escuro

"Na escuridão escuto o que não ouvia; na escuridão escuto o que antes não escutava; na escuridão sinto o que não sentia e na escuridão percebo coisas dantes não percebidas..." 

Cada vez mais descubro a dimensão da não visão... 
Compreendo cada vez mais os que meus alunos sentem adentrando neste universo onde eles são mestres: "a escuridão além do olhar".
É neste distanciamento do olhar em que me encontro e nele percebo, como minha amiga Lili diz: "O olhar do coração"; um olhar além daquilo que estamos habituados a sentir, fazer e ser... , um olhar de uma alma reverenciando a outra.


Visitem a exposição: Diálogos no Escuro no  Unibes Cultural e surpreendam-se...





domingo, 3 de abril de 2016

Fazer com as mãos: O Tecer como Expressão da Alma







Oração das Mulheres Modernas à Deusa do Éter


Pensei que precisava de muitas coisas
Quando me dei conta, preciso apenas de espaço
Um espaço para organizar as coisas que já tenho
E priorizar aquelas que penso querer
Pensei que precisava de uma casa perfeita
Quando me dei conta, preciso apenas de espaço
Um espaço para não sufocar meu ar
Nem apagar meu fogo
Um espaço para não secar minha água
Nem enrijecer demais minha terra
Meu corpo-mente é este espaço sagrado
O local onde construo a casa dos meus sonhos
Pensei que precisava saber tudo - ler todos os livros, fazer todos os cursos
Quando me dei conta, preciso apenas de espaço
Um espaço para canalizar a Sabedoria Divina
Pensei que precisava que me enquadrar
Quando me dei conta, preciso apenas de espaço
Um espaço para minha artista pintar seu autêntico quadro mental
Pensei que precisava correr atrás do dinheiro
Quando me dei conta, preciso de espaço
Um espaço para reconhecer meu valor próprio
Pensei que precisava me defender
Quando me dei conta, preciso apenas de espaço
Um espaço para manifestar a vulnerabilidade de ser uma mulher real
Pensei que precisava me estabelecer e definir
Quando me dei conta, preciso apenas de espaço
Espaço para ir e vir, para fluir, para experimentar, para viver
Pois antes do definir, é preciso dar espaço para o sentir
Pensei que precisava fazer, fazer, fazer
Quando me dei conta, preciso apenas de espaço
Um espaço para receber 
A luz do sol, o frescor da lua
O sal do mar e o brilho de um olhar
A carícia do vento em minha pele 
E a terra sob meus pés, relembrando-me...
Pensei que precisava de mais e mais
Quando me dei conta, preciso apenas de espaço
Um espaço para cada vez menos
Menos do mesmo
E mais do novo
Preciso apenas de espaço
Um espaço para meditar
Inteira-mente, respirar
E em meu útero
Minhas mãos em triângulo repousar
Preciso apenas de espaço
Um espaço para ascender as velas e os incensos de meu altar
E cantar, dançar, celebrar…
Também chorar, me descabelar e morrer…
Me tocar, me amar, me hornrar…
E por fim, somente agradecer
Pela magia do Feminino Ser
Foi a Deusa do Éter que falou comigo
Me pedindo amorosamente para esvaziar
Que eu não colocasse nada mais neste lugar
Nem as mais amadas pessoas
Nem as mais lúcidas teorias
Nem os mais sublimes papéis que represento
Nem mesmo os mais belos objetos de desejo
Este espaço, só pertence, a Mim.


Autora: Thais Pires de Andrade

Colagem e pintura: Fátima Castro


sábado, 26 de março de 2016

Páscoa

Falar em páscoa, é falar em renovação, adentrar-se em novos conhecimentos descobrindo coisas novas. Por isso, compartilho um lindo post da querida Cristiane Marino, que fala do significado da páscoa, suas relações com o feminino e os vários símbolos presentes nesta data em diversas culturas e religiões.

Boa Leitura!

http://mulheresemcirculo-luz.blogspot.com.br/2014/04/o-mes-de-abril-pascoa-e-o-feminino.html

domingo, 31 de janeiro de 2016

As grandes avós falando sobre a água nas tradições Brasileiras


Percorrendo a web encontrei: "A voz das avós" e fiquei encantada com o encontro destas anciãs que se preocupam com o futuro da mãe terra. Velhas xamãs, grandes mães e sacerdotisas do amor e da natureza...



sábado, 9 de janeiro de 2016

Benzedeiras: palavras que curam...

Um lindo documentário sobre as benzedeiras de Minas. Uma homenagem a minha  querida avó que benzia e costurava e que fez tanta diferença em minha vida. 

Uma linda fé!